Blog Preparação Física: Por que treinar resistência aeróbica?
Por: Leandro Barbosa
Em 01/10/2014
Professor Leandro Barbosa estreia blog sobre preparação física para pilotos de motocross, enduro, rally, etc

Caros leitores, hoje temos a estreia de um novo blog aqui no Cross Clube Brasil: Preparação Física, que será escrito pelo professor Leandro Barbosa. Leandro é gaúcho, natural de Porto Alegre, tem 32 anos e é formado em Educação Física pelo IPA (Instituto Porto Alegre). Nas horas vagas ele é piloto de motocross. Seu blog irá abordar mensalmente diversos temas referentes a preparação física para pilotos de motocross, enduro, rally, etc. Na estreia de hoje, Leandro fala sobre a importância de treinar a resistência aeróbica. Boa leitura!

Professor Leandro Barbosa, novo blogueiro do Cross Clube Brasil

 

Por que treinar resistência aeróbica?

Todos nos, pilotos de motocross, sabemos a importância que tem as duas últimas voltas da corrida, aquela que damos o gás final. Pois o preparo cardiovascular, responsável pela resistência aeróbica, conta muito. Em algumas provas que andei e acompanhei, vi que pilotos que treinam seu cardio chegavam bem colocados e com o cansaço físico quase que imperceptível. Muitas vezes até não eram os pilotos favoritos, contudo, o treinamento físico mostrou que ajuda e muito na hora da corrida.

 

O que é resistência?

Resistência motora é o componente da capacidade funcional que permite realizar movimentos durante um determinado intervalo de tempo sem perdas significativas na qualidade da execução, prolongando o temo de execução até o surgimento dos sintomas e sinais de fadiga. A resistência pode ser dividida em anaeróbica alática, resistência anaeróbica lática, e resistência aeróbica. No motocross usamos predominantemente a resistência aeróbica, pois durante um determinando tempo fazemos praticamente os mesmos movimentos, porém, o acido lático, aquela ardência que da no músculo, sensação que o músculo está queimando, está presente em alguns músculos no final da corrida.

 

Importância da resistência aeróbica para o treinamento desportivo

O condicionamento físico é importantíssimo para qualquer modalidade esportiva. As melhorias das capacidades físicas incidem de um processo sistêmico, significando um procedimento constituído por partes com funções próprias e objetivos específicos, porém, interdependentes. Logo, temos que o aparelho respiratório possui uma função específica, assim como o aparelho circulatório. Contudo, esses dois aparelhos possuem relações interdependentes, ou seja, se um não funcionar bem acaba prejudicando a função do outro.

A resistência aeróbica assume um papel fundamental no treinamento desportivo, pois o exercício contínuo leva a um aumento do volume cardíaco e, consequentemente, aumento da eficiência do coração em bombar sangue, produzindo melhorias nos meios de transportes do oxigênio e da capacidade dos músculos esqueléticos. Com isso, observa-se a redução da frequência cardíaca e da pressão arterial, resultando em redução da demanda de oxigênio para o miocárdio, aumentando a capacidade de absorção e utilização do oxigênio.

O bom condicionamento físico reflete na capacidade orgânica de resistir às tarefas diárias, assim como a desafios físicos inesperados, com um mínimo de cansaço físico e desconforto, isto é, produzir reservas energéticas suficientes para fazer aquilo que se deseja. Como ambas as capacidade físicas dependem de um bom condicionamento físico, a resistência aeróbica é protagonista para melhor aprimoramento das demais.

 

Como desenvolver resistência aeróbica

As adaptações do sistema cardiovascular ao exercício físico ocorrem de maneira singular ao exercício proposto. Segundo FORJAZ & TINUCCI (2000), podemos evidenciar dois tipos principais, dinâmicos ou isotônicos. A contração muscular, seguida de movimento da articulação e os estáticos ou isométricos, onde há a contração muscular, porém sem movimentação da articulação, sendo que cada um desses exercícios provoca respostas cardiovasculares distintas.

Podemos alcançar melhora na resistência aeróbica através de diversos métodos de treinamento. Um método simples e eficiente é o treinamento em circuito, onde o atleta desenvolve atividades intercaladas. Exemplo: fazer uma série de supino e outra de agachamento livre, repetindo sem intervalo três vezes ambos exercícios. Após a execução do último, vai para a esteira ou bicicleta e faz 5 minutos a 80% do seu batimento cardíaco, terminado esse tempo, volta a executar outra série de exercícios.

 

Exemplo básico de treino.

Supino reto 3 séries de 15 repetições.

Agachamento Livre 3 séries de 15 repetições

Bicicleta 5 minutos á 80% do batimento.

 

Desenvolvimento com dumbbells (halteres) 3 séries de 15 repetições.

Levantamento terra 3 séries de 15 repetições

Esteira –correndo- 5 minutos a 80% do batimento

 

Puxada pela frente (polia alta)3 séries de 15 repetições

Passada (afundo) 3 séries de 15 repetições

Bicicleta 5 minutos á 80% do batimento.

 

Rosca direta (bíceps) 3 séries de 15 repetições

Flexão de joelhos 3 séries de 15 repetições

Esteira –correndo- 5 minutos a 80% do batimento

 

Tríceps testa 3 séries de 15 repetições

Extensão de joelhos 3 séries de 15 repetições

Bicicleta 5 minutos á 80% do batimento.

 

Abdominal reto no solo 3 series de 30 repetições

Extensão de tronco (lombar) 3 series de 30 repetições.

Esse foi um exemplo bem básico de um tipo de treino, porém, podemos fazer inúmeras variações visando o ganho da resistência.

 

Vídeo muito legal, de um tipo de circuito

 

Espero que tenham gostado do artigo. Em breve novos artigos com fotos e vídeos demonstrativos. Próximo assunto será velocidade de reação, algo importante para a largada. Como aprimorar a velocidade de reação quando cai o gate.

 

Referências

  • BARBANTI, V. Teoria e prática do Treinamento Desportivo, 2. ed. São Paulo Edgar Blucher, 1997. 214 p.
  • FORJAZ, C. L. M.; TINUCCI, T. A medida da pressão arterial no exercício. Revista Brasileira de Hipertensão, Ribeirão Preto, v. 7, n. 1, p. 79-87, 2000.

 

GOBBI, Sebastião. VILLAR, Rodrigo & ZAGO, Anderson Saranz. Educação Física no Ensino Superior: Bases Teórico-Práticas do Condicionamento Físico. In:

 

Professor

Leandro Barbosa

Cref: 10574.

 

VEJA TAMBÉM:
Resultados: 6ª etapa Grand National Cross Country Series (GNCC) – X-Factor
Em 22/05/2017
Thad Duvall vence a primeira na XC1 Pro e na Classificação Geral. Josh Toth perde a invencibilidade na XC2 250 Pro
Vídeo: Melhores Momentos Prólogo Red Bull Romaniacs 2013
Em 03/07/2013
Piloto britânico Paul Bolton foi o vencedor do prólogo. Assista aqui os melhores momentos
AMA SX 2018: layout das pistas divulgado
Em 22/12/2017
Confira o traçado que os pilotos vão encarar nas 17 etapas da temporada, que começa em janeiro, em Anaheim
COMENTÁRIOS
Publicidade
211 Bikes MXGP Live
Copyright © 2013 CROSSCLUBE BRASIL. All rights reserved.